Friaca

originalmente publicado em Rascunho, em 19 de agosto de 2004

showerMas isso não é água, são cubos de gelo!” ouviu-se dele, ao mesmo tempo em que batia os dentes, cansado, ao fim de mais um de tantos dias daquela caminhada, a qual começara sem destino e finalmente o levara a alguma cidade minimamente povoada, apenas o bastante para oferecer-lhe aquela maldita pocilga chamada “Hotel Local”,  cuja falta das letras “H”, “e” e “c” no painel frontal indicava qual seria a qualidade dos cuidado que a ele poderiam ser proporcionados no estabelecimento, do qual agora – quando os termômetros sujos anotavam a mais baixa temperatura que já lhe arrepiara a pele – percebia a falha nos sistemas de aquecimento e hidráulico, prestando-lhe em conjunto a imensa frustação (digna de incontáveis palavrões) à sua pretensão de tomar o banho relaxante de que tanto precisava.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s