Inocência islandesa

texto originalmente publicado em Rascunho, em 28/09/2007 Lembro com gosto a primeira vez em que tive medo. Hoje o aprecio tanto quanto a coragem. Mas mesmo desfeita a ilusão de ser intocável, a inocência permaneceu, em algum lugar diferente que a neurose só alcança se encontrar um campo fértil onde possa florescer. Dominar a droga […]

Leia mais Inocência islandesa

Águas de dezembro

Poema meu, originalmente publicado em Sacada, em 15/12/2005 No ritmo com que o sol altera a aquarela O caminho entre as árvores, a ponte velha Um desejo secreto, mãos dadas, eu e ela O reflexo crescente na água até a queda A liberdade dos seus cabelos flutuantes Uma imagem de sonhos, um longo instante Manhã […]

Leia mais Águas de dezembro

Águas de dezembro

Poema meu, originalmente publicado em Sacada, em 15/12/2005 No ritmo com que o sol altera a aquarela O caminho entre as árvores, a ponte velha Um desejo secreto, mãos dadas, eu e ela O reflexo crescente na água até a queda A liberdade dos seus cabelos flutuantes Uma imagem de sonhos, um longo instante Manhã […]

Leia mais Águas de dezembro

Dividido

Poema meu, originalmente publicado em Sacada, em 22/12/2003 O que eu mais quero e preciso É saber como é que você conseguiu fazer isso comigo Você abriu meu cadeado “assim” Mesmo ele estando fechado pelo lado de dentro de mim E a insignificância individual Insuperável quando separados, superamos juntos como casal Como que por mágica, […]

Leia mais Dividido

Todo bobo

Poema meu, originalmente publicado em Sacada, em 26/09/2005 O inverno agora é história O frio não é senão memória E nada mais importa As palavras apenas atrapalham Posto ser esse sentir nominável Dizê-lo seria dispesável Sim, de longe dá pra ver Mas e quem poderia querer esconder Alimente e deixe crescer O pino não volta […]

Leia mais Todo bobo

Palavras

Poema meu, originalmente publicado em Sacada, em 15/10/2005 Conquanto as palavras sejam feitas para dizer Nunca me foi dito, se é que se pode saber Com quantas palavras eu poderia lhe dizer As coisas que sinto e preciso dizer a você Quando as palavras faltam sem mais nem porquê Restam-me gestos perdidos, e eu fico […]

Leia mais Palavras

Reforma

Poema meu, originalmente publicado em Sacada, em 07/11/2004 Perfume de flores com o cheiro de sua pele Que me enebriasse e me deixasse bem leve Luz de estrelas reluzentes como seu sorriso Que me guiasse e me proporcionasse alívio Brilho de lagos profundos como o seu olhar Que me seduzisse e me fizesse parar Maciez […]

Leia mais Reforma